segunda-feira, 31 de março de 2014

Não merecemos ser estuprados! (mentalmente)

 A política pública que visa coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher far-se-á por meio de um conjunto articulado de ações da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios e de ações não-governamentais, tendo por diretrizes:

(...)

II - a promoção de estudos e pesquisas, estatísticas e outras informações relevantes, com a perspectiva de gênero e de raça ou etnia, concernentes às causas, às conseqüências e à freqüência da violência doméstica e familiar contra a mulher, para a sistematização de dados, a serem unificados nacionalmente, e a avaliação periódica dos resultados das medidas adotadas;

Foi com este aval dado pela Lei Maria da Penha, e os recursos financeiros garantidos por ela, que o Ipea nos presenteou, na última quinta-feira, com uma pesquisa que analisa o que os brasileiros pensam a respeito da responsabilidade pessoal da mulher no caso dela se envolver em risco de sofrer violência - ou se preferir, analisar o quanto a filosofia feminista de "responsabilidade pessoal zero para a mulher" está impregnada em nossa cultura.

Entre outras coisas, a pesquisa revelou que o brasileiro acha que:

- 64,3% concordam, total ou parcialmente, que a mulher não deve satisfazer o marido na cama, mesmo "sem vontade";
- 73,1% discordam que a questão da violência contra a mulher recebe mais importância do que merece;
- 85% concordam, total ou parcialmente, de que quando há violência, os casais devem se separar;


Houveram também outras ideias que cuja adesão quase unânime revela que, sem a devida contextualização de tais questões, o brasileiro decide conforme o feminismo prega:

- 91,4% concordam, total ou parcialmente, que homem que bate na esposa, deve ir para a cadeia;
- 82,1% discordam, total ou parcialmente, que mulher que apanha em casa deve ficar quieta;
- 89,2% discordam, total ou parcialmente, que um homem pode xingar e/ou gritar com sua mulher;
- 83,6% discordam, total ou parcialmente, que dá para entender que um homem rasgue ou quebre as coisas da mulher se ficou nervoso;

Em nenhuma destas questões mencionadas acima se pesquisou o contrário, isto é, quando mulher xinga o homem, quebra as coisas dele ou bate nele... talvez porque, se fizesse, a Lei Maria da Penha não daria o dinheiro ao Ipea.

Só isso bastaria para perceber que o Brasil está se tornando uma sociedade cada vez mais feminista ao evitar parar para pensar e contextualizar as coisas. No entanto, a mídia feminista está provocando uma verdadeira histeria em cima do fato de que 65,1% dos brasileiros concordarem, total ou parcialmente, com a afirmação de que mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser estupradas, e 58,5% concordarem, total ou parcialmente, de que "se as mulheres soubessem se comportar, haveria menos estupros." Essas duas questões mereceram muito mais atenção, inclusive, do que a concordância quase unânime dos brasileiros em máximas "machistas" como "a roupa suja deve ser lavada em casa" (89%) e "em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher" (78,7%).

É que as tais questões são de muito interesse das putas de atenção, que querem provocar a libido masculina para se sentirem "poderosas", mas não querem assumir a culpa de algo dar errado e acabar atraindo a atenção de um pervertido sexual, ou de um cara tímido e desajustado que só consegue se satisfazer sexualmente colecionando fotos de bundas anônimas tiradas de seu celular em suas andanças solitárias - que também é um estuprador, segundo a Lei do Estupro de 2009.

Essas biscates inclusive criaram uma página no Facebook onde posavam peladas e com cartazes, à moda Project Unbreakable, dizendo que não mereciam ser estupradas. Tudo com a bênção da Dilma Rousseff e com a adesão de santas como Valesca Popozuda, Geisy Arruda e Daniela Mercury. E, considerando esta época de plena efervescência política devido a proximidade das eleições, trata-se de uma grande ofensiva, tanto para distrair o país de questões políticas ainda mais sérias quanto para embriagar o brasileiro de ideologia feminista para, em médio a longo prazo, criminalizar homens pela expressão de sua sexualidade enquanto se absolve as mulheres de culpa por provocá-la. Uma ofensiva feminista para envergonhar o brasileiro por possuir um pouquinho de bom senso conservador que resta.

Isso sim é um estupro coletivo da consciência, e ninguém merece isso. É preciso muito conhecimento e muito estudo para se tornar imune a essa histeria, a essa campanha de intimidação à tentação de abraçar o feminismo para demonstrar ser bom moço e desejar o melhor para a mulher. E hoje, no Brasil, a adesão a tal ideologia na mídia é unânime, graças aos marxistas e gramscianos que hoje parasitam os editoriais. Só nos blogs há salvação, graças à iniciativa de jornalistas independentes que se recusam a entrar neste jogo sujo - e, recentemente, tem aparecido muitos blogs bons nisso. No próximo post, daremos dicas a você de como se blindar de ofensivas feministas e esquerdistas

Amém!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para poder comentar neste blog, você precisa estar registrado em qualquer um dos canais disponíveis pelo Blogger, através do menu "comentar como", abaixo da caixa de texto.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

LinkWithin2

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...